FANDOM


Warning copy Alerta de Spoiler: Este artigo ou seção contém detalhes sobre enredos não abordados no anime. Não prossiga a menos que você queira ser estragado.
Rath logo

O logo da Rath

«Rath» (ラース, Rāsu?) é uma misteriosa empresa afiliada ao governo japonês e à Japan Self Defense Forces (JSDF). O principal objetivo da empresa é desenvolver a tecnologia de armas do próprio Japão para se tornar independente de outros países no campo e melhorar a tecnologia de defesa ultrapassada do Japão. O nome da empresa vem de uma criatura em Jabberwocky, um poema absurdo no romance de Lewis Carroll, Através do espelho e o que Alice encontrou lá. Diz-se que os Mute Raths da história parecem uma mistura de porco e tartaruga. Rath tem duas bases conhecidas: a Ocean Turtle, um mega-flutuador em forma de porco-tartaruga que é uma referência ao nome de Muth Raths e Rath como sua base principal, bem como uma instalação de pesquisa secundária em Roppongi.

Para atingir seu objetivo, a empresa contratou Kazuto Kirigaya para testar uma máquina de quarta geração FullDive, chamada de «Soul Translator» (STL). Ao contrário de todas as outras máquinas FullDive que vieram antes, o STL se conecta ao Fluctlight de um usuário (um campo quântico que pode ser considerado como a alma de um humano), em vez do cérebro. Embora possa ser usado para entrar em um mundo VR especial, Rath criou a máquina para criar a primeira Inteligência Artificial «bottom-up», que poderia ser usada para pilotar armas não tripuladas.

DesenvolvimentoEditar

O principal projeto da empresa, chamado Project Alicization, foi dedicado à criação da primeira inteligência artificial altamente adaptável (AI) de baixo para cima do mundo, que o JSDF poderia usar para pilotar armas não tripuladas. Para desenvolver uma inteligência artificial tão avançada, Rath criou uma máquina FullDive de quarta geração, chamada Soul Translator, que era capaz de se conectar ao Fluctlight de um humano. Usando este dispositivo, Rath conseguiu copiar um Fluctlight humano, criando assim uma inteligência artificial baseada na estrutura de uma mente humana. No início, tentou-se clonar os Fluctlights de pessoas crescidas, mas descobriu-se que um clone de uma pessoa só podia durar três minutos antes de desmoronar mentalmente devido ao choque de perceber que eles eram clones. Suprimir as memórias de um Fluctlight clonado para reduzir a chance de quebra do clone também se mostrou uma falha, pois as memórias estão ligadas às habilidades de uma pessoa e a remoção de certas memórias levou à perda da respectiva habilidade. A fim de resolver este problema, decidiu-se tentar clonar os Fluctlights de recém-nascidos, que ainda não tinham desenvolvido memórias. Esse plano provou ser bem-sucedido, pois descobriu-se que os Fluctlights dependiam apenas do ambiente em que eram criados, em vez dos genes de uma pessoa. Isto significava que os Fluctlights de bebês recém-nascidos eram pouco diferentes uns dos outros e poderiam ser usados para formar um «Arquétipo da Alma», que poderia ser usado para criar novos Fluctlights artificiais indefinidamente.

FuncionáriosEditar